• Meia Maratona de Viana 2019 915
  • Volta A Paranhos Banner 900
  • maratona no parque 2018

Madeira Island Ultra Trail (MIUT) 2011 - Crónica de Carlos Rocha

 Image

 

Image

 

CARLOS ROCHA - 7 ANOS DE PORTO RUNNERS

E

MADEIRA ISLAND ULTRA TRAIL 2011 - 100km

14-05-2011

 

 

O meu percurso no Porto Runners até MIUT 2011…

 

A pedido de alguns colegas vou tentar escrever algumas palavras sobre a prova - Madeira Island Ultra Trail (MIUT) 2011. Para começar fica aqui um aviso:

IMPORTANTE: Não quero com este texto convencer a pessoas a realizar Ultra Provas em terrenos acidentados. A pessoa que mais tem dinamizado este tipo de provas em Portugal, apelida-as de “Provas de Aventura”. São provas que representam algum perigo a nossa integridade física, devidos as condições do terreno, aspectos do clima e a nossa preparação, existe sim algum risco de vida. Acho que o ideal para todos nós, seria praticarmos treinos de ½ horas junto a praia e três vezes por semana. De qualquer forma vivemos num país livre em que podemos decidir os objectivos que queremos alcançar, de forma a não prejudicar os outros, mesmo que para isso ultrapassemos determinadas dificuldades.

 
Comecei a correr como treino aeróbico e para perder peso, também como preparação para o meu desporto na altura de montanha. Em Dezembro de 2002 participei pela 1ª vez numa prova de estrada, a São Silvestre do Porto, recebi um folheto com a Meia de Viana e adorei aquele ambiente das provas.

Em 2003 tive que parar as corridas e recomecei no final desse ano com as mesmas provas do ano anterior. Em Maio de 2004 conheci o Porto Runners e começou assim o meu percurso pelo mundo das corridas onde continuo até hoje e espero ter saúde, vontade e disponibilidade para continuar durante mais alguns anos.

No Porto Runners conheci pessoas como a Paula Santos, José Ferreira e muitas outras, com quem aprendi muito, mas no fundo, no fundo não sei quase nada sobre corrida. Todos os dias aprendo qualquer coisa nova, ou seja com os meus erros, com os outros atletas mais experientes, com os treinos, com as respectivas provas e vou tentar passar alguma da minha experiência no Ultra Trail de 100 km que realizei no dia 14 de Maio de 2011, na Ilha da Madeira.

Cheguei à Madeira no dia 11 de Maio e aproveitei 2 dias de férias para conhecer um pouco da Ilha. Na sexta-feira dia 13 a tarde, tive que fazer o check-in, apresentar o material obrigatório e entregar 2 declarações assinadas por mim: “Registo Médico” e “Termo de Responsabilidade” a assumir qualquer risco antes, durante e depois da prova, assim como desresponsabilizar a organização dessa prova.

Madeira Island Ultra Trail (MIUT) 2011As 5:30 horas de sábado dirigi-me para a partida, fizemos um “Reset” ao chip da prova e as 6:00 horas em ponto foi dado o início da prova.

Começamos a correr pelas ruas de Porto Moniz junto ao mar, passadas poucas centenas de metros já estávamos a subir por uma rua qualquer onde rapidamente chegamos a primeira de muitas escadarias desta prova.

Madeira Island Ultra Trail (MIUT) 2011Por esta imagem dá para reparar no esforço que já se fazia no primeiro quilómetro de prova. Ainda não sabia o que me esperava pela frente nos próximos 49 km. Ao fundo ainda se via a luzes de Porto Moniz num início de madrugada fresco e húmido por causa do nevoeiro. Na Ilha encontramos um clima tropical húmido que se manteve até as 13:00 horas.

Para descansar um pouco desta subida, vamos voltar novamente ao meu percurso no Porto Runners:
 
- No ano de 2004 participei pela primeira vez numa prova de montanha, na companhia do nosso amigo Manuel Veloso, em Vila Praia de Âncora, “Montes de Sto. Antão - O Calvário - 2004”. Vem se pode dizer “O Calvário” porque começava por corremos num caminho de terra batida, mas de vez de enquanto aparecia uma pequena subida onde eu não conseguia dar um passo a correr. Madeira Island Ultra Trail (MIUT) 2011No fim de caminho estava um jipe a barrar o caminho, distribuía garrafas de água e estava lá o Veloso a minha espera para me ajudar no próximo obstáculo: virar a esquerda e subir o monte por cima dos penedos, trepar os arbustos até chegar ao marco geodésico. Bom, a partir daqui seria mais fácil, descer por outro caminho de terra batida até ao Calvário. Fácil mesmo era para o Veloso, eu ia atrás, sabe deus como, a comer o pó que ele levantava com as sapatilhas. Por fim lá chegamos a Igreja do Calvário, após termos subimos alguns lanços de escadas.Pela foto tinha mais alguns quilos a transportar nas minhas pernas.

Serra da Estrela 2007- Após a minha primeira maratona de estrada em Abril de 2005, lá consegui perder esses quilos a mais e desenrascar melhor nas pequenas provas de montanha que ia realizando pelo Norte de Portugal.

- No início ano de 2007 perguntei ao nosso colega Antonio Oliveira, com muita experiência em Ultras,qual a 1ª prova mais longa de montanha me aconselhava a realizar: a Freita ou a Transestrela? Era o início das minhas aventuras nas distâncias superiores a 21 km em montanha: Transestrela com 42 km.

- Nesse ano de 2007, o Porto Runners teve uma das maiores participações nesta maratona de montanha a Transestrela: 2 senhoras e 14 homens. Nas fotos vemos outros colegas que participaram na maratona e na caminhada de 20 km.
 
Montanha

- Em 2008 participei em mais duas provas longas de montanha: Geira Romana no Gerês com 45 km e só agora no Ultra Trail da Serra da Freita com 50 km.

- Em 2009 por lesão não participei em nenhuma prova de montanha e no início de 2010, no dia 3 de Janeiro já estava em Valongo a fazer um treino para matar saudades.

- Em 2010 participei outra vez na Geira Romana, desta vez com 50 km e a seguir voltei a Freita, mas desta vez com 70 km, muito, muito duros. A Freita com esta distância deu-me 2 pontos para uma prova de sonho para mim – UTMB, mais tarde falo sobre esta prova. Antes do fim das férias ainda fui a Óbidos participar: II Trail Nocturnoda Lagoa de Óbidos com 42 km de extensão.

Voltamos mais uma vez a Ilha da Madeira para ver como vão os primeiros 50 km de prova: as coisas vão mesmo muito devagar. Nos primeiros 49,7 km apanhamos um desnível acumulado positivo de 4240 metros ou seja fizemos várias subidas que somadas deram aquele número gigante de 4240 metros. Abaixo coloquei uma imagem com todos esses dados:
 
Dados
 
Nessa tabela fornecida pela organização, podemos também observar que descemos
-2715 metros nos 50 km iniciais, mas tínhamos ainda pela frente
-2235 metros negativos, para quem se dá mal com as descidas como eu, as coisas pareciam feias:
 
Dados
 
Só para dar uma ideia, percorri os primeiros 50 km em 10 horas. A partir de Bica da Cana as coisas tornaram-se mais fáceis porque dos 50 aos 90 km fiz muitos quilómetros a correr. Várias vezes perguntei a mim próprio onde ia buscar forças para correr depois dos 50 km iniciais muito difíceis?

Voltando atrás um pouco, ao km 38,9, a organização levou um saco com a roupa que quiséssemos no Posto de Controlo Nº 3. Durante a manhã apanhamos chuva e frio, agora as 13:00 horas o tempo apresentava melhorias. Tive de fazer uma opção para a tarde, perguntei CP3 como estava o tempo por aquelas bandas, disseram que estava sol e por isso optei por continuar a correr com a camisola de manga cumprida. Sabia que a noite iria arrefecer, mas ainda tinha comigo o casaco seco caso precisa-se. Foi uma boa opção porque puxava as mangas para trás caso estivesse quente ou para a frente quando arrefecia. A Ilha é conhecida pelos seus microclimas que variam durante o diana diferentes zonas.

Quando cheguei aos 90 km apanhamos 2 descidas muito técnicas que deram cabo do que ainda restava nas minhas pernas.A partir daqui foi caminhar a lado das levadas durante muitos quilómetros até que chegamos a um estradão. Talvez por estarmos próximo de alguma casa, mas naquela hora era difícil conseguir ver alguns metros devido ao nevoeiro, já existia alguns candeeiros públicos. Quando não havia candeeiros, o frontal mesmo com no mínimo de intensidade, a luz reflectia nas partículas de água do nevoeiro e não se conseguia ver o chão.Sabíamos que estávamos a pisar a berma quando pisávamos algumas pedras soltas. Passado pouco tempo ouvimos um som maravilhoso para os nossos ouvidos: o MAR, já estaria próximo do final da prova. Mas o certo era que caminhava, descia, caminhava e não via nem mar nem nenhuma luz de Porto Moniz.

No início da noite houve um pequeno percalço que podia ter-me causado muitos problemas: no regulamento da prova dizia que éramos obrigados a levarmos 2 frontais ou lanternas e 2 jogos de pilhas suplentes. Foi o que me valeu depois de escurecer, tinha comprado um frontal novo com uma luz espectacular e que funcionou bem durante a madrugada. A noite quando voltei a utiliza-lo, começou por variar a intensidade do brilho e mais tarde passou a desligar-se. Substitui as pilhas mas o problema manteve-se e continuava a desligar-se. Utilizei o meu velhinho frontal até ao final da prova sem problemas. Se não tivesse cumprido o regulamento, as coisas iriam ficar mesmo muito escuras. Fica aqui um conselho para quem vier a fazer alguma prova com muitas horas de noite ou se tiver de usar a luz artificial de madrugada e a noite novamente: levar sempre 2 frontais.

Bom quando avistei as luzes de Porto Moniz foi uma alegria e estimulo para acabar a prova, só que ainda tinha de descer por algumas ruas que por incrível que pareça, ainda com alguma dificuldadetécnica, desde de degraus feitos com pedras tipo seixos molhados e escorregadios, até descidas íngremes com degraus junto as casas. Já dentro de Porto Moniz lá consegui dar uns passos de corrida até a meta, atrás de um atleta que tinha acabado de passar por mim na descida.

E a 1:40 hora da manhã de domingo estava a marcar o chip na última base junto a meta, debaixo de algumas palmas dos acompanhantes dos atletas e incentivos do nosso mestre José Moutinho que não abandonou o seu posto até ao fim da prova.

Tinha acabado de cumprir um objectivo do ano 2011, conquistar os 3 pontos em falta que me permite fazer a inscrição para o UTMB – 2012: Ultra-TrailduMont-Blanc. Qualquer coisa como 166 km e 9500 metros de desnível positivo. Para isso é necessário fazer a pré-inscrição com 5 pontos no final do anoe depois temos a sorte de sermos sorteados com a inscrição. Mas isso será outra história para contar, se um dia chegar a realizaressa prova.

Alguém me perguntava como se treina para uma prova destas. Na minha modesta opinião, acho que se deve ter alguns anos de atletismo, mas há excepções. No meu caso são 7 anos que se passaram desde que conheci o Porto Runners. Este ano a minha preparação começou com a continuação do plano de 12 semanas de preparação para a maratona de Sevilha em 13 de Fevereiro. Fiz antes uma prova de 10 km em Gaia, dia 9 de Janeiro e uma meia maratona de Viana em 24 de Janeiro. Depois de recuperar uma semana a seguir a maratona, continuei a treinar segundo o plano do nosso amigo Juvenal Ribeiro, para a maratona de Milão no dia 14 de Abril. Antes de Sevilha, dei uma volta a cidade do Porto para realizar um treino de 3 horas. Voltei a repetir com o grupo outro treino de 3 horas desde o Fluvial até Gaia e retorno como preparação para Milão. Por fim queria agradecer aos nossos amigos João Mota Freitas e ao Luis Pires pela excelente ideia de voltarem a repetir o treino no dia 1 de Maio, a maratona do Parque da Cidade Maratona no Parqueou seja 10 voltas ao Parque o equivalente a 45 Km. Foi o último treino longo 2 semanas antes do Ultra Trail. Mais um conselho para quem for a Madeira: treinar muito nas escadas do Guindais, subir e descer, treinar de dia e de noite, principalmente quando estiver a chover também de dia e de noite. Não é para levar a letra porque não fui lá treinar nenhuma vez.

Em relação a alimentação durante a prova, a organização obrigava a levarmos 1 gel e 1 chocolate. Eu levei 6 mini barras da Isostar, 4 Gels e 6 comprimidos também da Isostar. Consumi 2 mini barras e 4 comprimidos para desfazer na boca. Os gels não cheguei a usar mas por prevenção era melhor tê-los connosco. Havia na prova 8 postos de controlo e ao mesmo tempo de abastecimentos. Quatro desses postos só tinham líquidos: água, coca-cola e isotónico: nos postos CP1, CP4, CP6, CP8 e nos outros 4 postos CP2, CP3, CP5, CP7, tinham líquidos e sólidos como por exemplo: canja de galinha, chá, pão, queijo, bolo de mel, chocolates, frutos secos, etc. Talvez por haver tanta comida e simpatia dos voluntários, eu acabava por perder muito tempo nesses postos de controlo e abastecimentos. Tivemos um 9 posto de controlo surpresa só com base para marcar o chip.
 
 Madeira

Por fim a minha recuperação está a decorrer normalmente, na primeira semana fiz um treino de bicicleta na quarta-feira e corri um pouco na quinta-feira. Voltei a correr sábado e domingo mas de forma muito lenta. Na segunda semana corri terça, quinta, sábado e domingo. Terminei a prova muito dolorido, com uma pequena bolha e uma unha negra no pé direito.Antes de me deitar, tomei uma aspirina e por sortefoi a nossa amiga Conceição Grare que me acordou para o pequeno-almoço, com a sua habitual preocupação para com todos nós.

Para não me alongar mais, quero agradecer a todos os colegas e amigos do Porto Runners – Clube de Corrida sem excepção, todo o apoio e incentivo que me têm dado, ao longo destes anos, nos treinos e nas mais diversas provas que tenho participado.
 
A todos, o meu muito obrigado!
 
Image

Comentários  

# Brilhante....Alexandre Caramez 31-05-2011 15:01
... parabéns Carlos! Está fantástica a tua crónica, e sabes uma coisa? Já aguardo a UT Monte Branco! Força aí! Grande abraço
Responder | Responder com citação | Citar
# Admirável PercursoJoaquim Nogueira 01-06-2011 19:09
Carlos Estás de parabéns pela determinação verdadeiramente "rochosa" que quiseste testar ao fim destes sete anos de corrida. Obrigado por teres partilhado. Um abraço Joaquim Nogueira
Responder | Responder com citação | Citar
# parabensjorge gonçalves 02-06-2011 11:12
Amigo carlos quero dar-te os parabens pela tua aventura es realmente um campeao quem te conhece sabe que o teu nome te assenta bem es valente como uma rocha, obrigado por partilhares mais esta tua experiencia pois ela é importante para ajudar os proximos colegas aventureiros
Responder | Responder com citação | Citar
# PARABÉNS !!!Isabel Sousa Pires 03-06-2011 18:51
Olá, Carlos Avisaram-me desta sua crónica, e lá vim eu ler com toda a atenção ..... Valha-me Deus !!! Depois do que conversamos, acho que não vale a pena dizer mais nada. Subscrevo inteiramente a introdução - é assim mesmo !!! E não ! Não lhe vou dizer que deveria ter desistido. Já desisti ... Muitos, muitos parabéns e um abraço amigo Bé
Responder | Responder com citação | Citar
# ULTRA HOMEM!Luís Sousa Pires 03-06-2011 19:02
Grande Carlos, Parabéns pela tua excelente prova, parabéns pela tua crónica - que li e reli - parabéns pela tua companhia durante estes sete anos, com milhares de quilómetros juntos, em treinos e corridas, parabéns por tudo! Aprecio imenso as tuas qualidades, como atleta, mas mais ainda como Homem. És uma pessoa fantástica, a quem o Porto Runners deve muito. Desejo-te boa sorte para a ultra de Mont-Blanc!!! Um ultra abraço, Luis
Responder | Responder com citação | Citar
# Obrigado a todos.Carlos Rocha 04-06-2011 15:30
Quero agradecer os vossos comentários, são importantes para nós e que apesar de não ter feito nada de especial, há alguém que é capaz de intender porque corremos tantos quilómetros. Olá Alexandre, vou tentar um dia poder participar no UT Monte Branco. Olá Joaquim, penso que isto não é só determinação, acho que é uma evolução para justificar todos os treinos que fazemos. Olá Jorge, sabes que gosto de treinar e para isso temos de estar quase a 100%, desejo-te uma rápida recuperação para no próximo ano voltemos novamente a Sevilha. Olá Isabel (Bé), obrigada pelas suas palavras, espero que esteja mais vezes presente a dizer para desistir e isso dá-nos mais força para nos arrastámos até ao fim. Mas também pela sua alegria e boa disposição. Descobri um texto que explica porque as pessoas correm a maratona: http://www.honoris.pt/sportscience_pt/index.php?option=com_content&view=article&id=6:motivos-para-correr-maratona&catid=1:artigos-lsms Mas quando tiver que desistir, espero ser forte como o Luis e ter a lucidez para parar, beijinhos. Olá Luis, realmente já passaram 7 anos mas nunca fiz a conta aos quilómetros, espero que palmilhemos mais umas centenas de milhares de quilómetros com alegria e grande camaradagem. No Mont-Blanc quem sabe um dia
Responder | Responder com citação | Citar
# Continuação...Carlos Rocha 04-06-2011 15:44
No Mont-Blanc quam sabe um dia... Link do site: www.honoris.pt/sportscience_pt/index.php?option=com_content&view=article&id=6:motivos-para-correr-maratona&catid=1:artigos-lsms 7 motivos para correr uma maratona. Um forte abraço a todos, Carlos Rocha
Responder | Responder com citação | Citar
# ParabénsTelmo Veloso 13-06-2011 22:41
Parabéns Carlos pela tua prova na Madeira mas especialmente pela tua evolução e dedicação ao trail. Ainda me lembro de ter experimentado uma prova de montanha contigo em Miranda do Douro (na altura para mim foi uma curta experiencia). Neste momento temos o gosto em comum e um dia ainda vamos estar juntos na UTMB (2012?). Um abraço amigo Telmo
Responder | Responder com citação | Citar
# ParabénsRui Pinho 19-06-2011 23:43
Parabéns Carlos! És realmente um exemplo e um excelente colega de equipa. Nota-se que devolves aos "rookies", como eu, toda a experiência que tens acumulado nestes anos de Porto Runners. Espero muito sinceramente que consigas atingir esse sonho, porque mereces. E obrigado pela partilha, desta experiência em particular, e de todos os momentos de treino e prova em especial. Um abraço
Responder | Responder com citação | Citar

Comentar


Código de segurança
Atualizar